21 abril 2008

Meu milagre nao chegou como queria! Aleluia

Depois de uns certos dias compreendi então a escolha entre ter a pequena fé de um tamanho de um grão, ou simplesmente em optar em reclamar, e sendo levada pelas circunstâncias. Não vou mentir que é bem mais fácil não querer enxergar mais além do óbvio, ou tentar ver algo que não há esperança. Passei por dias conturbados, dias onde a escuridão da minha alma me abateu mais uma vez levando comigo a última gota de perseverança que existia dentro de mim. Mesmo tendo sido dias difíceis, hoje vejo como presente de Deus, como crescimento espiritual e pessoal. Acredito em milagres! Meu Deus é um Deus de milagre. O que somos nós um simples milagre criado pelas mãos do grande Eu sou. Ele é. Eu não. Então, o meu milagre não chegou da maneira que eu esperava. Chegou doendo, me humilhando fazendo de mim uma pessoa pequena. Contudo, da maneira como Deus quis. Já ouvi histórias de pregadores que fazem a oração do emagrecimento, onde as pessoas sobem na balança e em um "milagre" ficam magras. Huum, não gosto dessa ideia de milagres pós-modernos, sem comprometimento com as escrituras sagradas. Onde tratamos Deus o nosso empregado, exibindo uma lista de desejos, e ele como nosso mordomo, tem que atender tal e qual. Fast-food, por que não? Nossa sociedade tem sido assim. Por que não iria ter um Deus assim? Pobres mortais. O correto é ser o contrário, não?. Sermos os verdadeiros mordomos de Deus quando temos que atender o que ele exige. Tal e qual, acho que não dá por sermos criaturas vulneráveis e falhas (Ele entende, pura misericórdia do Senhor). As igrejas estão lotadas de pessoas descomprometidas com o social, preocupando-se muito mais com o que vão vestir ou para onde vão sair depois do culto. As igrejas estão lotadas de pessoas que converteram apenas os vícios pessoais, e quanto os vícios sociais? Perguntas, apenas perguntas sem respostas. Nessa hora não vejo saída, mais lembro que optei pela pequena fé do tamanho de um grão de mostarda mesmo quase sempre sendo muito falha.

Um comentário: