10 julho 2008

?! Sei por que eu fui dizer bye bye?!




Começo este post, cantarolando uma música que escutei muito ontem. Elá é um pouco antiga, acho que é do Blits. " Longe de casa, há mais de uma semana, há milhas e milhas distante do meu amor. Será que ela está me esperando, eu fico aqui sonhando, volando alto chego perto do céu. (...) Não sei por que eu fui dizer bye-bye".


E é nessa inspiração, fiz um pequeno balanço da minha vida em Lisboa, cidade das sete colinas, no qual sou apaixoanda. Muitos lugares desbravei aqui sozinha, muitas pessoas cruzaram os meus caminhos a pé pelas ladeiras e poucas serão que levarei ao Brasil comigo. Contudo, cada qual com o seu valor e aprendizagem. Graças a Deus, o meu destino foi muito melhor do que esperei que fosse. Na faculdade tive a oportunidade de fazer três cadeiras, apenas duas levei muito a sério. Uma delas, foi a cadeira de filomologia. Meu professor não é nada menos do que um cineasta português, João Mário Grilo. Dando honra a quem tem honra, através dele pude perceber que numa casa sempre haverá mais de uma janela, em outras palavras haverá sempre paz e amor, aonde tiver arte. Essa arte que me despertou e me consumiu.


Não pretendo aqui ser uma crítica de cinema, mas como a minha mente alargou em relação ao cinema. Principlamente, quando os únicos filmes que assistiam eram apenas americanos. Aqueles cheio de comédia romântica, que mostra que é lindo viver o consumismo e viva a sociedade capitalista. Ainda gosto de comédia românticas, mas a minha nova paixão é cinema europeu. Admiro claro, o cinema soviético. No qual posso dizer que me isnpirou a usar a arte em favor dos menos favorecidos e como estratégias de revolução.


Muitos são os outros motivos que me fez amar essa experiência longe do meu país, mas como recebi minha nota de filmologia hoje, e passei com alegria. Deixo registrado que a leveza e a doçura de ser feliz está dentro de cada. E muitas vezes as respostas podem está dentro de um filme. Assita um. E por que não faça um.


Saudações.




Pérola, uma rapariga brasileira em terras lusitanas.




Um comentário:

  1. Nooossa prima, como você está inspirada nesta Lisboa de meu Deus!! Tu escreve com paixão, dá para sentir... o bom desta viagem é que você vai saber falar do que lhe faz feliz! Beijocas da Dau

    ResponderExcluir