18 janeiro 2017

Só me dói trabalhar, se não for amor


Quando se mora em outro país, depois de um tempo, a tendência é procurar um emprego que  tenha a ver com a gente. Se arriscar em tudo que tiver oportunidade nos deixa mais flexíveis e abertos com a infinidade de habilidades que podemos exercer. E se você gosta de se divertir, interagir, servir as pessoas uma boa opção para quem está a procura de emprego é trabalhar com Function. 

Eu amarro. E dos episódios engraçados nessa louca aventura encontrei em alguns trampos uma pontinha de satisfação em comemorar a alegria do outro. Trabalhar com function, você é chamada de waitress, vulgo garçonete. Geralmente serve os convidados em workshop, coquetel party, aniversários e o meu preferido casamentos. 

Quem me conhece sabe o quão 'casamenteira' eu sou. Amo casamentos. A culpa é das estrelas e desse coração apaixonado que acredita e muito no final feliz. De tantos que já fiz, teve o meu favorito. Imagina aí a cena. O casamento em que todos os convidados eram chineses e falavam mandarim. Por um momento, me imaginei na China, por conta da comida, decoração, músicas.


Entre 謝謝 (ao som de chenchen) e thankyou a tecnologia me chamou atenção. Tudo de mais moderno. Quem mora na Austrália, sabe o quão forte é a comunidade oriental aqui. São escolas, empresas, igrejas, baladas, ruas, parques tudo com investimentos chineses para se sentirem em casa. 



Mas voltando pro casamento, na hora do speech, quando as amigas começaram a falar para os noivos, olhei para a noiva, e os convidados e sem entender nada do que eles falavam, me veio na cabeça que o amor realmente é a língua universal e não precisou tradução: apenas chorei. E chorei como se fosse um casamento de uma amiga. 


Chorei pelo encontro. Pela sensibilidade. Por lembrar das minhas amigas, das passagens dos ritos. Chorei e ao mesmo tempo sorri. Loucura essa de chorar num casamento de gente estranha, que fala chinês, que não tem nada a ver com a minha história? Gargalhei ao lado dos amigos do trabalho. E pensei alto: é o poder do amor que me encanta. E da curiosidade de conhecer outra cultura que me fascina.

Quer trabalhar com function?

É por essas e outras histórias que trabalhar com o que gosta vale a pena e ajuda a enfrentar todo o cansaço. E a dica que dou para quem quer trabalhar em function, é fazer o curso de RSA (Responsible Service of Alcohol), uma certificação necessária para trabalhar em estabelecimentos que vendem bebida alcoólica.

O valor da hora que se ganha é de $25 a $30 dólares. Os shifts são longos (muitas vezes mais de 10 horas). Prepare-se para abrir mão dos finais de semana e de algumas festas. Mas com certeza é um dos trabalhos mais divertidos em Sydney. Se te interessou segue abaixo uma lista com as principais empresas de function, só entrar no site mandar o currículo e boa sorte!

Trippas
https://www.trippaswhitegroup.com.au/

Um comentário:

  1. E ae Preula. Massa de mais seu blogue e suas aventuras. Estou pela Europa desde 2005(entre Itália e Inglaterra) e estou pensando em me mudar daqui ,quem sabe pelas tuas áreas aí. Adorei suas dicas, abraço forte!

    Sandrinho (colega de turma do Ari de Sá)

    ResponderExcluir